criptomoedas descentralizadas - coinrc.com

From Wikinews, the free news source you can write!
Jump to navigation Jump to search

2024-05-26

Popular crypto exchanges(2023 Update) 2024-05-26
Image: coinrc.com

A análise da Benchmark ilustra que o preço das ações da MicroStrategy aumentou dez vezes desde a implementação da sua estratégia de aquisição de Bitcoin em agosto de 2020. No pregão da quinta-feira (25), os papéis fecharam em US$ 1.241, uma queda de 2%.

Qual é o preço do NFTb (NFTB) hoje? criptomoedas descentralizadas

Esses players sofisticados incluem protocolos DeFi que também são emissores de stablecoin. Mas emissores de stablecoin que buscam rendimento em garantias simplesmente não podem colocar fundos em protocolos de rendimento altamente arriscados. Afinal, ninguém gostaria de deter stablecoins lastreadas em investimentos arriscados.

Composto é um token Ethereum que permite que os usuários ganhem juros sobre suas participações em criptomoedas. Para fazer isso, os usuários devem apostar seu COMP no protocolo Compound. Quanto mais COMP estiver apostado no protocolo, maiores serão as taxas de juros que podem ser obtidas. 

Exchange Rankings Crypto
Image: coinrc.com

Melhores plataformas de criptomoedas | Maio de 2024Tether congela US$ 5,2 milhões em USDT ligados a golpes O trader de cripto pseudônimo Rekt Capital disse a seus 456.400 seguidores no X em 24 de abril que ele prevê que o próximo pico do mercado de alta não ocorrerá até o final de 2025, aproximadamente 546 dias após o halving. moedas promissorasEm vez de esperar semanas ou meses, a meta é que esse processo seja concluído em apenas 2 ou 3 dias. Haddad disse que acredita que os juros não vão subir nos Estados Unidos e que o Federal Reserve, o banco central norte-americano, errou em suas próprias previsões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Avançando quinze dias em seu planejamento, o Dogeverse já passou para a segunda metade de sua ICO muito antes do previsto.

Top 4 criptomoedas da semana - 11/04Notícias relacionadasMichael Saylor dá razão à SEC sobre ETFs de EthereumTraders cripto podem ganhar até US$ 20 mil em competição na Bybit O Bitcoin e outras criptomoedas passaram por altas excepcionais ao longo de março e abril e chegaram perto de registrar novas máximas históricas.

Previsão de preço de rede PAGA (PAGA) 2030 Item consumido em grande escala pelo brasileiro, o arroz vendido no atacado já registrou uma alta de 4% desde o início das fortes chuvas no Rio Grande do Sul.Do fim de abril até esta terça-feira (14), o preço da saca de 50 kg subiu de R$ 105,98 para R$ 110,23, segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea-Esalq/USP).Os dados são colhidos juntos do Instituto Rio Grandense de Arroz (Irga), órgão da secretaria da Agricultura do RS.Segundo o instituto, um dia depois da intensificação das chuvas, em 29 de abril, o valor do grão registrou 1,08% de valorização.O estado é responsável por cerca de 70% da produção nacional do alimento.Apesar desta ser em relação aos preços para o produtor, o impacto pode acabar chegando no bolso do consumidor, na opinião de especialistas.“Dada a importância da produção de arroz do Rio Grande do Sul no total do Brasil, a gente entende que uma alta de 20% no atacado pode acontecer nesse curto prazo”, afirma Andréa Angelo, estrategista de inflação da Warren Rena.E o produto pode ficar mais caro não só no estado, mas em todo território nacional, segundo avaliação do economista e especialista em inflação da FGV/Ibre, André Braz.Além disso, a alta do preço deve ser ainda mais intensas devido o desespero do consumidor com a possibilidade de o arroz se esgotar nas prateleiras.“Muita gente vem comprando o produto com antecedência, exatamente com medo de que haja uma falta. Isso não só ajuda aumentar o preço como também esgota o produto mais rapidamente, porque as pessoas começam a estocar arroz”, pontua Braz. Leia Mais Conab pode comprar feijão para formação de estoques após queda de preços, diz diretor Chuvas no RS podem frear PIB em 2024 com impacto na indústria gaúcha, avalia Santander Conab eleva previsões para soja e milho e cita perdas de arroz no RS “Isso não vai ser positivo tanto pelo lado do preço quanto para atender a maior parte da população, que acaba ficando sem o produto”, conclui.O economista do Ibre reforça que os preços têm uma tendência de alta à longo prazo devido à amplitude da catástrofe.“Tá tudo alagado, continua chovendo e a recuperação do solo depois da enchente – permitindo um novo ciclo de plantio – vai demorar um pouco. Isso vai comprometer o calendário de plantio das safras e a gente pode perceber esse efeito por muitos meses”, aponta Braz.Devido a potencial extensão do problema, segundo Angelo, a Warren chegou a elevar sua perspectiva para alta do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial do país, por conta do impacto na produção gaúcha. A estimativa da corretora subiu de 3,8% em 2024 para 3,9%.A XP também elevou suas apostas e vê um cenário ainda mais pessimista para os preços da alimentação no domicílio, que devem ter alta de 4,2% este ano. Anteriormente, a previsão era de 3,8%.ColheitaSegundo levantamento do Irga, o RS tinha um total de 900.203 hectares de arroz a serem colhidos. Do total, estima-se que 84% da produção já foi colhida e que 2,5% das plantações foram perdidas.Em relatório sobre os impactos, o Santander avalia que apesar do atraso da colheita na safra 2023/24, o RS estava adiantado nesse sentido.Contudo, o relatório é preliminar e não considera as perdas que podem ter ocorrido entre o produto que já foi colhido.“Mas quanto pode ter sido perdido nos silos? Desse modo, haverá especulação no curto prazo, com pressão de alta sobre os preços”, avalia a professora e pesquisadora do Cepea-Esalq, Andréia Adami.Em relatório, pesquisadores do Cepea reforçam a preocupação quanto à perda de grãos já colhidos.“Além disso, algumas estradas estão interditadas, o que também dificulta o carregamento do cereal. Esse cenário aumenta as incertezas quanto à produtividade da safra 2023/24”, aponta.Do outro lado das análises que avaliam que as perdas ainda não podem ser estimadas, a Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) avalia que a oferta do estado é suficiente.Em entrevista à CNN, o presidente da Fedearroz, Alexandre Velho, defende que o problema logístico que os produtores do RS enfrentam para escoar seus produtos não é motivo para grande alarde.“Nós já temos rotas alternativas [para fazer o transporte]. O que está acontecendo com o arroz é uma questão de logística. Não há risco de desabastecimento no país tendo em vista até aumento da área de produção dentro do Rio Grande do Sul e fora do estado”, afirmou Velho.Velho diz que os problemas são pontuais, principalmente para produtores na região central do estado, onde há mais risco de alagamento. Segundo o presidente da Fedearroz, o risco de o arroz colhido estragar é baixo, visto que a maioria das armazenagem estão em boas condições.De antemão, o governo federal já anunciou que poderá importar até um milhão de toneladas de arroz para suprir a demanda e sustentar os preços do arroz.ImportaçãoSegundo a Fedearroz, as importações vão pressionar preços, desestimulando produtores gaúchos na próxima safra. Há pontos de atenção nessa transação, como custos de importação, frete e também do valor do câmbio, segundo análise de Adami, do Cepea.Para André Braz, também é um ponto de atenção a alta recente do arroz no mercado internacional em decorrência de cortes de exportação da Índia.Contudo, para garantir que os preços não subam ainda mais, a ideia do governo é subsidiar parte dessa compra.O objetivo é que o pacote de cinco quilos não ultrapasse o valor de R$ 20. Inflação na Argentina cai pelo 4º mês seguido em abril, a 8,8%; em 12 meses, preços subiram 289% Mineração Em Nuvem: Como Funciona? Vale A Pena?Previsões de preços Premium Lukso (LYXE) Airdrop mais esperado do mercado cripto finaliza preparativos (LayerZero)


Sister links

Sources

Bookmark-new.svg